Memória e História: a arte contemporânea se une às suas raízes clássicas

Adobe Stock Colaborador

Para a nossa quinta tendência de 2018, nós exploramos como artistas e marcas estão em contato com estilos e técnicas da arte clássica com um novo toque digital.

Artigos Relacionados:
https://theblog.adobe.com/creative-reality-lush-utopias-anxious-times/
https://theblog.adobe.com/multilocalism-local-experiences-meet-global-consciousness/
https://theblog.adobe.com/color-me-social/

Faulkner estava falando da América do Sul quando disse “O passado nunca está morto. Não é nem passado”. Mas o mesmo poderia ser dito sobre as artes visuais. Para nossa tendência visual “Memória e História”, nós falamos sobre como designers, artistas e marcas estão trazendo a história para o presente usando a arte clássica como inspiração e combinando velhas técnicas com a nova tecnologia. (Veja Memória e História na nossa galeria do Adobe Stock).

AndrewLili / Adobe Stock

Essa fascinação emergente com a história pode ter muito a ver com nosso momento atual – o passado tem muito a oferecer em tempos de incerteza. Quando nós nos conectamos com trabalhos anteriores aos nossos, temos pistas sobre como chegamos até aqui, nós vislumbramos a história e podemos imaginar o futuro.

Ao mesmo tempo, nós estamos em um momento sem precedentes de acesso à arte e à história. Você não precisa viajar para ver galerias ao redor do mundo, fazer um curso na universidade ou até mesmo ir até à biblioteca para pegar um livro de história da arte. A internet é uma conexão instantânea com o trabalho de mestres. É um convite aberto para retroceder e desenhar novos artefatos clássicos no presente. E museus, marcas e artistas estão comprometendo-se com esse projeto com suspense, provocação e até mesmo humor.

Xavier Harcq / Adobe Stock

Museus e a era digital

O Rijkmuseum em Amsterdã foi pioneiro em digitalizar e democratizar a arte clássica. O arquivo digital deles contém centenas de milhares de pinturas e objetos dos séculos 17 e 18, incluindo joias do Século de Ouro dos Países Baixos, “A Ronda da Noite” de Rembrandt e a Leiteira de “Vermeer”. Rijksmuseum convida os visitantes do mundo todo para baixar imagens em alta resolução de graça. Até o momento, o museu já teve 5 milhões de downloads, muitas dessas pessoas nunca tiveram – e provavelmente nunca terão – a chance de visitar a galeria pessoalmente.

Eve Saint-Ramon / Adobe Stock

Quando a coleção se tornou online seis anos atrás, a administração do museu estava focada em estimular novas formas de interação. A equipe estava especialmente interessada em reutilizar e unir novas técnicas com temas clássicos. Isso, sem dúvidas, levou à criação do Prêmio Rijksstudio, um concurso inovador que procura a mistura do velho com o novo. “Nós queríamos que as pessoas olhassem mais de perto para os trabalhos e vissem o que os antigos mestres faziam”, diz Linda Volkers, gerente de marketing do museu. No próximo ano, nós vamos nos juntar ao museu para patrocinar o prêmio e ajudar a expandir seu alcance.

“Misturar o novo com o velho é poderoso, mas claro que não é algo novo. Até mesmo Rembrandt era inspirado por outros, como Caravagiio”, explica Linda. “Mas agora, no mundo da arte digital, é mais fácil e mais evidente. Você pode acessar a memória coletiva da arte e então compartilhar suas criações logo em seguida”.

Outros milhares de museus entraram nessa tendência, convidando o público a baixar coleções de imagens para estimular a criatividade. O Museu Municipal de Arte de Los Angeles oferece 80.000 imagens online, 20.000 delas podem ser baixadas de graça. A Galeria Nacional de Arte oferece 50.000 imagens gratuitas.

Um toque de história da arte na cultura popular

Como museus, artistas e marcas estão descobrindo formas exclusivas de unir passado e presente, Portraits Completed, uma campanha publicitária da Kiwi Shoe Care inspirada na história, ganhou o festival de Cannes ano passado. A campanha, muito inteligente, imaginava sapatos que existiam fora das obras clássicas – imagine um sapato de salto na Monalisa e o elegante sapato azul da Moça com o Brinco de Pérola.

Andrewlili / Adobe Stock

O filme de 2017 “Loving Vincent” é um outro ótimo exemplo de como preencher os espaços entre passado e presente. Contando o mistério da morte de Van Gogh, o filme foi feito representando o estilo característico do artista, usando pinturas à mão em cenas de ação para produzir uma homenagem cheia de cor, profundamente sensual e moderna.

Em outro projeto que combina tecnologia digital e antigos mestres, uma equipe criada pelo ING usou a tecnologia para criar o The Next Rembrandt. O time de criativos desenvolveu uma base de dados com os trabalhos do artista e então usou análise estatística para definir os recursos e as proporções do seu estilo. A partir daí, eles implantaram uma inteligência artificial para criar um novo trabalho com o estilo antigo do artista, completando com impressão 3D para definir a textura de cada pincelada.

Archan Nair / Adobe Stock

Stock, no estilo clássico

Em imagens stock, nós estamos percebendo uma tendência de peças que fazem alusão aos sentimentos, cores e composições da arte clássica. Nesse inverno, nós convidamos dois dos nossos fotógrafos favoritos, cujos estilos são inspirados pela história, para aumentar essa coleção. O trabalho de Milou Dirks captura belas imagens clássicas de crianças. Elas são acessíveis, mas um pouco misteriosas, com um olhar atemporal que lembra a pintura holandesa. Com um estilo totalmente diferente, as fotos do artista francês Thibault Delhom tem características greco-romanas com um toque de moda contemporânea e um aceno interessante à escultura clássica.

Milou Krietemeijer / Adobe Stock

A principal mensagem para marcas e designers

No nosso mundo digital, nunca foi tão fácil se conectar com a arte do passado e aproveitar o conforto dessa cultura visual compartilhada. Seja por humor ou pelo desejo de encontrar padrões, significados e estruturas, as pessoas estão se envolvendo com a arte clássica. Isso, combinado com um crescimento do conjunto de ferramentas e acesso a versões digitais gratuitas de obras de arte antigas, significa que marcas e artistas tem, cada vez mais, a oportunidade de encontrar inspiração na história.

A nossa campanha Hidden Treasures of Creativity observa o passado para criar novas ferramentas para artistas modernos. Ano passado, nós nos unimos ao The Munch Museum e Kyle Webster para criar sete versões digitais dos pincéis originais usados por Edvard Munch e recentemente, nós disponibilizamos novas fontes Bauhaus desenvolvidas a partir de rascunhos históricos.

Thibault Delhom / Adobe Stock

Para todos nós, um mergulho no passado pode fornecer uma estrutura necessária em tempos tumultuosos. “A história não pode nos dar a certeza do futuro”, escreveu o novelista e crítico Robert Penn Warren, “mas pode nos dar um entendimento mais completo de nós mesmos, e de nossa humanidade como um todo, assim nós podemos encarar melhor o futuro”.

Confira nossa galeria aqui e não se esqueça de nos seguir para acompanhar nossas conversas com artistas cujos trabalhos pintam o passado no presente.

Venda seus trabalhos com arte clássica no Adobe Stock!

 


Adobe Stock Colaborador

Posted on 10-15-2018


Join the discussion